Seguidores

Pesquisar neste blog

Meus blogs :

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Lendas dos Caboclos Parte I - A História da Caboclinha

Esta história aconteceu com a minha mãe, há muitos anos atrás. Quando ela tinha uns nove anos.

Ela contava que era uma menina que gostava muito de ir para a mata caçar lenha, mais sua mãe, mas quando elas iam para a mata, sua mãe sempre dizia:

– Cida, minha fia, não sai de perto deu, mode a Caboclinha, ela gosta muito de meninas e pode li levar.

– Não, mãe, eu tô aqui pertinho.

Então sua mãe continuou a caçar lenha, e Cida saiu andando na mata entretida. Quando deu por si, estava sozinha. Então começou a gritar:

­­– Mãeeê...! Cadê a senhora?!

E nada da mãe dela responder. Ela disse que parou e ficou prestando atenção para ouvir, quando a mãe dela falasse. Mas, de repente, o que ela avistou não foi a sua mãe, foi uma menina muito bonita, tinha cabelos longos bem pretinhos, moreninha e baixinha. Minha mãe disse que ficou olhando e a menina começou a chamá-la. Disse que foi andando para o lugar onde a menina estava, porque pensava que a menina queria dizer alguma coisa a ela.

Quando foi chegando perto, a sua mãe gritou:

– Cidaá...! Responda, Cida!

Minha mãe disse que quando parou para escutar sua mãe gritar novamente, ela olhou para trás, olhou para frente onde a menina estava e não a viu mais.

Sua mãe apareceu e perguntou:

– Onde tu tava, Cida?

– Eu tava aqui mãe! Mãe, eu vi uma menina, ela tava me chamando.

– Cida, minha fia, quando você vê na mata uma menina do jeito que você falou, não chegue perto, porque se não ela te carrega. Ela é a Caboclinha da mata, gosta de criança.

– Tá bom, mãe.

Minha mãe disse que foi a primeira e última vez que viu a Caboclinha, mas até hoje escutamos história da Caboclinha. Dizem que ela só aparece na mata para as crianças que a agradam.

fonte:

História contada por Maria Aparecida Ferreira da Silva

Escrita por Giselma Ferreira durante o IV Módulo do Curso de Formação de Professores Indígenas de Minas Gerais

Parque Estadual do Rio Doce, Janeiro de 2002

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Zambra Gitana :

Zambra Gitana :
Apperley, Pintor : George Owen Wynne (1884-1960) - Zambra gitana - A Zambra, ou Flamenco árabe é, portanto, a fusão de movimentos de danças de povos nômades ancestrais.

Dança Flamenca!

Dança Flamenca!
Apperley, Pintor : George Owen Wynne (1884-1960) - Danza Flamenca

Velas Ciganas Coloridas!

Velas Ciganas Coloridas!
A Cultura cigana e seu contraste de cores,de suprema riqueza!

Sereia da Praia;

Sereia da Praia;
Sereias o Povo Mítico dos Oceanos,damas dos Lagos,Senhoras do Mar

Mulher Índia - Quadro Pintado pelo Artista Italiano Milo Manara.

Mulher Índia - Quadro Pintado pelo Artista Italiano Milo Manara.
Índia Xamã - Feiticeira de sua Tribo - Sacerdotisa das forças da natureza - Luz em Meio a Floresta !

Iemanjá

Iemanjá

♥♥♥Indiana♥♥♥

♥♥♥Indiana♥♥♥
♥♥♥♥♥♥♥♥

Iansã - Divindade Africana

Iansã - Divindade Africana

Cigana Esmeralda ;

Cigana Esmeralda ;
Bailando com o Pandeiro;

Amor do Egito !

Amor do Egito !

Velas de Umbanda;

Velas de Umbanda;

Fênix

Fênix
Senhora das Profecias !

Velas Coloridas entre as Frutas;

Velas Coloridas entre as Frutas;
♥ ♠ ♣ ♦

Quiromancia !

Quiromancia !
A Arte de ler as Mãos!

Sereia.

Sereia.